Cultura nada mais é do que um conjunto de comportamentos e tradições de um determinado grupo social. Transferindo esse significado para a expressão cultura de integridade, podemos entender que se trata de um conjunto de comportamentos e tradições, que quando planejado para ser inserido na rotina da empresa gera diretrizes capazes de manter a empresa no caminho da integridade, conformidade, ética e combatendo a corrupção. 

Implementar uma cultura de ética e integridade não é da noite para o dia, é preciso um esforço de todos do grupo social (ou seja, da empresa), em especial daqueles que são as lideranças. Portanto o apoio da alta administração e da média gerência é fundamental para que a cultura de integridade esteja correndo, dia a dia, no sangue de todos que fazem parte daquela empresa. 

Para que as pessoas sigam com desenvoltura as diretrizes de integridade é preciso que estas sejam entendidas. Há pessoas que não questionam e seguem regras, mas a grande maioria vai questionar e certamente seguirá as diretrizes se entender os reais motivos. É papel do compliance transmitir através da comunicação quais as bases que sustentam a cultura de integridade da empresa.

Contudo, haverá sempre a ovelha desgarrada, que não seguirá as diretrizes e os preceitos éticos e de integridade da empresa. Nesses casos, é preciso retirar essa pessoa no convívio social, sob pena de prejudicar todo o trabalho já conquistado em termos de cultura de integridade. 

É óbvio que decisões extremas, como retirar determinada pessoa do convívio na empresa, só devem ser tomadas após tentativas de capacitação, como treinamentos e comunicação, sobre temas de ética e integridade, e que demandam significativos recursos financeiros à empresa. 

Táticas que impulsionam o resultado da cultura de ética e integridade

É importante para a cultura ética e de integridade da sua empresa que sejam estabelecidos relacionamentos com outras instituições que tenham o mesmo padrão e nível de cultura ética que o seu. Se necessário, investigar através de due diligences seus parceiros de negócios antes de contratá-los. 

Por fim, cabe à equipe de compliance ficar atenta também aos relatos que chegam no canal de denúncias, pois estes podem trazer informação de não conformidade à cultura ética e de integridade, tanto referente a desvios de comportamentos provenientes de funcionários quanto àqueles oriundos de prestadores de serviços, clientes, parceiros de negócios etc. 

Nathália Göpfert– COO na Compliance PME

Compartilhe: