Início » Artigos » Compliance para Micro e Pequenas Empresas
Compliance para micro e pequenas empresas

Muitas empresas de micro e pequeno porte acabam não adotando o Programa de Compliance porque pensam que é algo muito complexo e exorbitante.

No entanto, pequenas empresas não estão imunes a situações antiéticas, assédio, fraudes, corrupção e outras irregularidades.

Portanto, é muito importante a adoção de um canal de denúncias, claro que respeitando o princípio da razoabilidade e o tamanho de cada empresa.

Neste artigo você descobrirá o que é Compliance, porque estar em Compliance é vantajoso para pequenas empresas e como implementar um programa efetivo de integridade para sua empresa.

Boa leitura!

O QUE É COMPLIANCE?

Compliance é um termo da língua inglesa que significa to comply, ou seja, estar em conformidade.

O termo é usado no mundo corporativo como sinônimo de estar em conformidade com as leis, ética e normas

No Brasil, muitos acreditam que Compliance é apenas sobre Programas Anticorrupção, mas isso não é verdade.

É indispensável esclarecer que as normas que as empresas devem estar em conformidade podem ser leis de diferentes esferas (trabalhista, ambiental, contábil, jurídica etc.) e níveis (federal, estadual, municipal).

QUAL É A IMPORTÂNCIA PARA AS PEQUENAS EMPRESAS?

As pequenas empresas poderão cumprir sua função social contribuindo para o desenvolvimento da sociedade, além de sua empresa ser beneficiada em vários fatores:

1. Atrair clientes, fornecedores e parceiros que adotam a mesma postura.

Atualmente a maioria das empresas que tem um programa de Compliance prefere negociar com outras que adotam a mesma postura.

Grandes multinacionais preferem contratar empresas locais e até pequenas empresas que possuem uma política de integridade.

Assim, uma empresa ética e que possua medidas de integridade estará na frente de outras instituições que não dão importância a isto.

2. Poder negociar com o governo e participar de licitações

Com o advento da Lei 12846 de 2013, conhecida como a Lei Anticorrupção, veio à obrigatoriedade de ter um Programa de Compliance Efetivo para poder negociar com os entes governamentais.

Levando em consideração que a maioria das empresas atualmente negocia com o governo (federal, estadual e municipal), já seria argumento suficiente para a implementação de um Programa de Integridade.

Neste contexto, é condição para a participação de licitações nos Estados do Rio de Janeiro, Distrito Federal, Amazonas, Rio Grande do Sul , Goiás e Espirito Santo.

3) Atender esta lei é importante para obtenção de crédito e exportação e importação de produtos.

As empresas exportadoras só recebem o apoio oficial da Câmara de Comércio Exterior mediante declaração que estão de acordo com as “normas e regulamentações anticorrupção”.

Da mesma forma, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), desde 2014, condiciona a concessão de crédito à implementação de políticas de Complaince.

4) Melhora do clima da empresa e a produtividade

Uma empresa que cumpre todas as normas passa muito mais segurança para os seus colaboradores, pois têm a garantia que todos os seus direitos – salário, benefícios e boas condições de trabalho – serão respeitados.

Em segundo lugar, um bom programa de Compliance costuma trazer outros benefícios para as empresas como, melhor organização dos processos, tornando a empresa mais atrativa para trabalhar.

Consequentemente, trazendo maior satisfação para os funcionários fazendo-os produzir mais e melhor.

5) É possível elevar a reputação do negócio como um todo

Atualmente com as redes sociais, as empresas se encontram mais expostas do que nunca e os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre a importância de uma empresa ética.

Não é suficiente ter somente produtos e serviços de qualidade, é necessário uma reputação positiva.

Seguir as diretrizes de boas práticas pode prevenir as empresas de eventuais danos e elevar sua reputação.

Como implementar um Programa de Compliance Efetivo para Micro e Pequenas Empresas?

Para as micro e pequenas empresas que tenham interesse de estar em Compliance, a portaria 2.279 da CGU determina algumas regras:

Primeiramente, deve ser criado um código de ética e compliance conforme o setor que a empresa atua e seu tamanho.

O comprometimento da alta direção com o Programa de Compliance é um dos pilares fundamentais, sem o mesmo, o Programa estará dado ao fracasso.

O Código de Ética e o Canal de denúncias devem ser amplamente divulgados.

Deve ser respeitado o princípio da razoabilidade e proporcionalidade, por isso não é necessário uma área inteira exclusiva para o Compliance, mas um profissional especialista na área é muito importante.

É primordial a criação de um canal de denúncias anônimo, onde todos os colaboradores, fornecedores, clientes e parceiros se sintam a vontade para denúncia qualquer situação antiética que fere o Código de Ética ou a legislação.

Leia o nosso post sobre os 6 benefícios de um Canal de Denúncias para sua empresa.

Compartilhe: